Archive | Poesias RSS feed for this section

Vida: Sem você.

22 out

Se você está bravo com alguém e ninguém faz nada para consertar a situação, conserte você. Talvez, hoje, aquela pessoa ainda queira ser sua amiga e, se você não consertar isto, amanhã, talvez, seja muito tarde.
Se você está apaixonado por alguém, mas a pessoa ainda não sabe, diga a ela. Talvez hoje, aquela pessoa também seja apaixonada por você e, se você não falar isto hoje, talvez amanhã, seja muito tarde.
Se você morre de desejos de dar um beijo em alguém, então dê.  Talvez aquela pessoa também queira seu beijo e, se você não der isto a ela hoje, talvez amanhã seja muito tarde.
Se você ama alguém e acha que ela te esqueceu, então diga a ela. Talvez esta pessoa o ame e, se você não lhe disser isso hoje, talvez amanhã seja muito tarde.
Se você precisa do abraço de um amigo, você deve pedir-lhe. Talvez ele precise disto  mais que você e, se você não lhe pedir hoje, amanhã pode ser muito tarde.
Se você realmente tem amigos, os quais aprecia, fale isto a eles. Talvez eles também o apreciem e, se eles partem ou vão embora, talvez amanhã seja muito tarde.

Se as minhas mãos pudessem deis-folha

4 out

Eu pronuncio teu nome
nas noites escuras,
quando vêm os astros
beber na lua
e dormem nas ramagens
das frondes ocultas.
E eu me sinto oco
de paixão e de música.
Louco relógio que canta
mortas horas antigas.
Eu pronuncio teu nome,
nesta noite escura,
e teu nome me soa
mais distante que nunca.
Mais distante que todas as estrelas
e mais dolente que a mansa chuva.
Amar-te-ei como então
alguma vez? Que culpa
tem meu coração?
Se a névoa se esfuma,
que outra paixão me espera?
Será tranqüila e pura?
Se meus dedos pudessem
desfolhar a lua!!
Garcia Lorca

Eu pronuncio teu nomenas noites escuras,quando vêm os astrosbeber na luae dormem nas ramagensdas frondes ocultas.E eu me sinto ocode paixão e de música.Louco relógio que cantamortas horas antigas.
Eu pronuncio teu nome,nesta noite escura,e teu nome me soamais distante que nunca.Mais distante que todas as estrelase mais dolente que a mansa chuva.
Amar-te-ei como entãoalguma vez? Que culpatem meu coração?Se a névoa se esfuma,que outra paixão me espera?Será tranqüila e pura?Se meus dedos pudessem deis-folha a lua!!Garcia Lorca